segunda-feira, 8 de junho de 2009

VINTE LIÇÕES DE VIVER


Tese de um pensador russo chamado George Gurdjieff, que no início do século passado já falava em auto-conhecimento e na importância de se saber viver. Dizia ele:

"Uma boa vida tem como base o sentido do que queremos para nós a cada momento e daquilo que, realmente, vale como principal."

Assim sendo, ele traçou vinte regras de vida que foram colocadas em destaque no Instituto Francês de Ansiedade e streasse, em Paris.

Dizem os especialistas em comportamento que, quem já consegue assimilar dez delas, com certeza aprendeu a viver com qualidade interna.:

1. Faça pausas de dez minutos a cada duas horas de trabalho, no máximo. Repita essas pausas na vida diária e pense em você, analisando as suas atitudes.
2. Aprenda a dizer não sem se sentir culpado ou achar que magoou. Querer agradar a todos é um desgaste enorme.
3. Planeje seu dia, sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso, consciente de que nem tudo depende de você.
4. Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam os seus quadros mentais, você se exaure.
5. Esqueça, de uma vez por todas, que você é imprescindível. No trabalho, em casa, no grupo habitual. Por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem a sua actuação, a não ser você mesmo.
6. Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos. Não é você a fonte dos desejos, o eterno mestre de cerimónias.
7. Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir sempre às pessoas certas.
8. Diferencie problemas reais de problemas imaginários, elimine-os porque são uma perda de tempo e ocupam um espaço precioso para as coisas mais importantes.
9. Tente descobrir o prazer de fatos quotidianos como dormir, comer, tomar banho, sem também achar que é o máximo a se conseguir na vida.
10. Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias enquanto ansiedade e tensão. Espere um pouco e depois retome o diálogo, a acção.
11. Família não é você, está junto de você, compõe o seu mundo, mas não a sua própria identidade.
12. Entenda que princípios e convicções fechadas podem ser um grande peso, a trave do movimento e da busca.
13. É preciso ter sempre alguém em que se possa confiar e falar abertamente ao menos num raio de cem quilómetros. Não adianta estar mais longe.
14. Saiba a hora certa de sair de cena, de retirar-se do palco, de deixar a roda. Nunca perca o sentido da importância subtil de uma saída discreta.
15. Não queira saber se falaram mal de você e nem se atormente com esse lixo mental; escute o que falaram de bem, com reserva analítica, sem qualquer convencimento.
16. Competir no lazer, no trabalho, na vida a dois, é óptimo . . . para quem quer ficar esgotado e perder o melhor.
17. A rigidez é boa para uma pedra, não no homem. A ele cabe firmeza, o que é muito diferente.
18. Uma hora de intenso prazer substitui com folga três horas de sono perdido. O prazer recompensa mais que o sono. Logo não perca uma oportunidade de divertir-se.
19. Não abandone as suas três grandes inabaláveis amigas: a intuição, a inocência e a fé.
20. Entenda de uma vez por todas, definitiva e conclusivamente: você é o que se fizer.

Foto (Inês) a do meio!

Fiquem bem

1 comentário:

A Senhora disse...

Iuhuuu! Fiz 10 pontos! Os outros... bom... isso leva tempo. :)
Mas, com certeza, Não eu sei dizer sem remorsos. :))

Linda a sua "do meio"!!

beijinhos