quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Doenças, causas e cura, apenas para reflexão .....


A seguinte lista de equivalentes mentais foi compilada a partir de um estudo feito pela psicóloga americana Louise L Hay e do nosso próprio trabalho com clientes, como terapeuta psicoespiritual, na "Aldeia da Vida". Ela deverá ajuda-lo na busca da cura; é-lhe oferecida com amor e o desejo seguro de dividir com você os efeitos positivos de uma saúde mental mais consciente.

  

DOENÇAS
CAUSAS (Pensamentos – padrões negativos)
CURA (pensamentos- padrões positivos)
Abscessos 
A pessoa se sente ferida: menosprezo, vingança
Eu não deixo meus pensamentos acelerarem, estou em paz
Acidentes
Rebelião contra autoridades: crença em violência, raiva.
Paz e segurança. Eu amo e aceito tudo na vida.
Acne
Não se aceitar, desamor de si.
Eu me amo, eu me aceito onde estou agora. Eu sou maravilhoso
Adenoides
Atritos familiares, discussões, criança se sente malquerida
A criança é querida e bem-vinda
Alcoolismo 
Sentimentos de futilidade, inadequação, culpa e autorrejeição
Eu relaxo o passado. Eu tenho valor. Eu me amo e me aceito agora
Alergias
A quem você é alérgico? Falso ego e sensibilidade
Eu estou em paz, o mundo é seguro e amigo
Amidalite
Emoções reprimidas e medo; raiva reprimida
Nada impede o bom de mim. Eu permito a liberdade de expressão das ideias divinas, que fluem e ganham significado em mim
Anemia
Falta de prazer; desinteresse da vida
Meu mundo é cheio de alegria e estou interessado em tudo
Apendicite
Medo, medo da vida, bloqueio do fluxo das sensações
Alegria, eu relaxo e deixo as minhas sensações fluírem.
Arteriosclerose
Resistência, tensão, abertura mental estreita.
Eu estou completamente aberto para a vida e a alegria. a vida é bela.
Artrite
Amargura, ressentimento, crítica, sentimentos de desamor.
Amor e perdão. Eu deixo os outros serem eles mesmos e eu sou livre.
Asma
Supersensibilidade, amor sufocado; supressão do choro, sentimentos sufocados
Eu sou livre. Eu me encarrego da minha própria vida. Eu posso expressar meus sentimentos como eles são.
Ataques, congestão, golpes
Rejeição da vida, auto violência; resistência extrema
Eu aceito a vida passada, presente e futura, vida e alegria.
Bexiga (problemas da)
Ansiedade: resistência a novas ideias
Eu abandono o passado, despreocupo-me do futuro.
Eu aceito o que é novo agora.
Boca (problemas da)
Incapacidade de engolir ideias; fixação de opiniões e mente fechada
Eu dou boas vindas às ideias e conceitos novos.
Bronquite
Ambiente familiar inflamado
Paz. Ninguém consegue irritar-me.
Bursite
Raiva reprimida, vontade de bater em alguém.
Eu relaxo a raiva de maneira que ela não me cause mal.
O amor relaxa e descansa
Cãibras
Tensão, segurar-se, oprimir-se
Eu relaxo e deixo a vida fluir.
Câncer
Profundos segredos ou aflições corroendo o eu; retenção longa dos ressentimentos, ferimento profundo.
Não existem segredos. Eu deixo que o passado se vá. meu presente será preenchido com alegria.
Catarata 
Futuro pouco claro; inabilidade de ver à frente
Eu sou livre, ávida eterna é cheia de alegria.
Ciática
Medo do dinheiro e do futuro
Eu me movimento no melhor de tudo. Meu bem esta em todo o lugar e estou seguro.
Cisto
Crescimento falso, fomentação de choque, machucados emocionais.
Eu dissolvo velhas raivas. Nada pode ferir-me.
Coceira
Desejos insatisfeitos, remorso, punição e culpa
Tudo que eu precisar estará sempre aqui. Eu aceito tudo de bom sem sentimento de culpa
Colesterol (excesso de)
Entupimento dos canais de prazer; medo de aceitar o prazer
O prazer é norma. Meus canais estão largamente abertos.eu amo ávida
Colite
Pais superexcitados; opressão, menosprezo; necessidade de afeto.
Eu sou livre-pensador. Eu estou em paz na minha mente.
Contensão, machucaduras, esgotamento
Pequenos impactos da vida
Não existe razão para eu bater na vida. Estou agindo com amor
Coração (problemas do) 
Problemas emocionais sérios, longamente suportados; falta de prazer, rejeição da vida, crença nas pressões e no esforço
Alegria, alegria, alegria. Amor e paz. Eu prazerosamente aceito tudo da vida.
Corcunda
Raiva atrás de você; ressentimento conservado
Eu vejo o passado com alegria. Ninguém jamais me fez mal.
Costas (problemas das)
Superior – falta de amparo emocional, retenção em pensamento do amor passado.
Inferior- falta de amparo econômico, medo do dinheiro
A vida por si me suporta; eu confio no universo, eu divinamente dou amor e confiança.
Crescimento
Nutrir ferimentos emocionais; falso censo de valores e orgulho
Perdão. Eu amo a mim mesmo e não irei fazer-me mal.
Dedos
Superexagerar nos detalhes da vida (unhas – “superanalisar”)
Eu relaxo consciente de que a sabedoria da vida cuida de todos os detalhes
Defeitos de nascença
Necessidade “reencarnatória”, você pediu para vir assim
Não se sinta culpado, você e seus pais têm algo a aprender
Dentes
Sustentar longas indecisões; incapacidade de derrubar ideias por análise ou decisão
Eu faço minhas decisões baseadas nos princípios da verdade e fico seguro com o resultado
Deslizamento de disco
Indecisão. Não se sentir emocionalmente amparado pelos outros.
Eu sou corajoso e independente. Eu sou amparado pela vida.
Desmaios
Medo; não poder conviver; ou enfrentar, apagar-se de tudo.
Eu tenho poder, força e conhecimento para lidar com tudo na vida.
Diabete
Profundo sentimento de mágoa, falta de açúcar na vida.
Eu permito que a vida seja gostosa. Eu deixo o passado ser apenas passado. Eu aceito que a alegria e o prezar sejam as bases da minha vida.
Doenças venéreas
Culpa sexual; crença de que os órgãos genitais são pecaminosos e sujos, necessidade de punição.
Eu amorosa e prazerosamente aceito minha sexualidade e sua expressão. Não há culpa sem punição.
Dor
Congestão, bloqueio, crença em barreiras, punição e culpa.
Eu descanso minha necessidade de punição.
Dor de cabeça 
Tensão, revolta, contrariedades emocionais, sentimentos feridos.
Paz, amor, alegria, relaxamento. No meu mundo está tudo bem.
Dor de ouvido
Raiva; não querer ouvir.
Eu ouço com amor e prazer. Sempre escuto o bom de tudo.
Eczema
Supersensibilidade, individualidade machucada, personalidade ferida.
Eu sou seguro, ninguém ameaça minha individualidade.
Edema
O que ou quem não está deixando você sair?
Não me permito ficar preso no passado. Eu sou seguro e livre.
Enjoo de carro
Medo- dependência, sentimento de ser pego em armadilhas.
Eu ando facilmente no tempo e no espaço. Não existe o medo.
Enjoo do mar
Medo- medo da morte.
A vida continua, não existe a morte, somente mudanças
Entorpecimento
Reter amor e consideração.
Eu respondo à vida, reparto meus sentimentos e meu amor. Eu sinto...eu sinto...
Envelhecimento
Crença social, velhos pensamentos.
Eu me amo e me aceito em todas as idades, cada idade é perfeita. Eu sou espírito. Eu sou eterno.
Enxaqueca
Resistência ao fluir da vida; medos sexuais, desperdícios emocionais.
Eu descanso no fluxo da vida e deixo-a fluir através de mim com facilidade.
Epilepsia
Rejeição a vida, sensação de perseguição, violência contra si.
Eu amo a mim mesmo e a tudo na vida. A vida é uma eterna alegria.
Esclerose múltipla
Dureza mental, coração endurecido, vontade de ferro, inflexibilidade.
Eu não tento me controlar. Eu me solto com alegria na vida.
Espinhas
Crença na feiura, culpa, ódio de si.
Eu não propago pensamentos feios, não há culpa. Eu amo todo o meu corpo.
Estômago (problemas do)
Incapacidade de assimilar ideias, medo de novas ideias.
Eu assimilo novas ideias facilmente, a vida concorda comigo.
Excesso de peso
Insegurança- autorrejeição; procura de amor; proteção do corpo; medo de perda, sufocar sentimentos.
Eu me aceito e me amo como eu sou. Eu sou sempre seguro no alimento espiritual.
Face (doenças da)
Representa individualidade, reconhecimento.
Eu reconheço meus próprios e verdadeiros valores. Minha individualidade está segura.
Fadiga
Resistência, aborrecimento, falta de amor pelo que faz
Estou entusiasmado com a vida e cheio de energia.
Febre
Queimar-se com alguém ou algo; raiva.
Eu sou a calma, expressão do amor e da paz.
Febre do feno
Congestão emocional; confusão nas crenças e medo do moralismo.
Eu nego qualquer crença em moralismo. Eu sou uno em tudo na vida.
Gagueira
Insegurança; falta de autoexpressão.
Eu me permito falar por mim mesmo. Eu sou seguro da minha própria expressão. Eu comunico com amor.
Garganta
É a avenida de expressão. Repressão de raiva; ferimentos emocionais engolidos.
Eu me expresso livremente com alegria. Ninguém pode ferir-me pois estou em paz.
Gastrite (dores de gases)
Reter as ideias indigestas: sufocar o ar por medo.
Eu relaxo e deixo a vida fluir facilmente através de mim.
Gengiva (problema da)
Inabilidade de levar avante as decisões uma vez que sejam tomadas.
Eu sou uma pessoa decidida. Eu me deixo ir pela vida.
Glândulas (problemas de)
Desequilíbrio; falta de ordem; distribuição insuficiente.
Eu estou em equilíbrio total. Meus sistemas estão em ordem.
Glaucoma
Pressão emocional por sustentar, por longo tempo, sentimentos feridos.
Ninguém pode jamais me ferir. Eu vejo com amor e ternura.
Gota
Impaciência, raiva, dominação.
Eu deixo o ego e sentimentos de superioridade irem-se. Eu deixo os outros serem o que são.
Gripe
Resposta à negatividade e crenças em geral; medo e crença em estatísticas.
Eu não governado por crenças de grupos ou preconceitos. Eu sou livre de todas as congestões e influências.
Hemorroidas
Carga, pressão, tensão, medo, medo de deixar acontecer.
Eu descanso todo o peso e as cargas e vivo na alegria do presente.
Hepatite
Medo, raiva, ser odiado. O fígado é o local da raiva e emoções primitivas.
Eu deixo ir agora tudo o que não preciso mais. Minha consciência está limpa e meus pensamentos são frescos, novos e cheios de vida.
Hérnia
Carga, resistência mental, autopunição; raiva expressões criativas incorretas.
Minha vida é calma e harmoniosa. Eu me amo com ternura.
Herpes
Prolongada suspensão nervosa
Eu estou descansado de todos os meus pensamentos e de todas minhas atividades. Que a paz esteja comigo e não o medo.
Hipoglicemia
Desequilíbrio no sistema
A aceitação do prazer equilibra o meu sistema.
Icterícia
Prejuízo, crenças descoloridas.
Eu sinto tolerância, compaixão e amor por todos
Impotência
Pressão sexual, então, culpa; crenças sociais, rancor contra um antigo parceiro.
Poder. Eu permito que todo o poder dos meus princípios sexuais opere com facilidade e prazer.
Inchaços, verrugas, manchas
Autorrejeição, medo, falta de amor.
Eu só adiciono amor em mim. Nada terá mais poder em mim.
Indigestão
Medo, ansiedade, pavor.
Eu recebo o novo e facilmente o assimilo.
Infeções
Irritação, raiva, chateação.
Nada tem o poder de irritar-me, eu sou pacífico e harmonioso.
Insanidade
Escapismo, recolhimento, violenta separação da vida; ressentimentos familiares.
Minha mente sabe sua verdadeira identidade e eu sou o ponto criativo da expressão divina.
Insônia
Tensão, culpa e medo.
Eu descanso do dia e mergulho em um sono perfeito, pacífico, sabendo que o amanhã cuidará de mim.
Laringite
Medo de verbalizar opiniões; ressentimento da autoridade; raiva.
Eu posso falar por mim. Eu me expresso livremente
Mãos
A habilidade de segurar e deixar as ideias escaparem; medo de novas ideias.
Eu lido com todas as ideias com amor e facilidade.
Mau hálito
Atitudes podres, pensamentos estúpidos.
Eu falo com amor. Eu expiro somente o que é bom.
Menopausa (problemas de)
Medo de não ser mais querido; autorrejeição, medo do envelhecimento.
Eu sou equilibrado em todos os ciclos de mudança e abençoo meu corpo com amor.
Nervos – nervosismo
Comunicação; luta, pressa, medo, ansiedade, pensamentos confusos.
Estou na interminável jornada pela eternidade. Que a paz esteja connosco. Não existe nenhum lugar para qual devamos apressar-nos.
Olhos (problemas dos)
Não gostar do que vê na sua vida; medo do futuro, não ver a verdade.
Eu vejo com olhos amorosos. Eu gosto do que vejo, eu vejo, eu vejo claramente, eu vejo a verdade.
Ombros (problemas dos)
Rebelião contra a autoridade (os ossos são a estrutura do universo)
Eu estou em paz com a autoridade. Em meu mundo eu sou minha própria autoridade.
Paralisia
Medo, escapismo, resistência, choque.
Eu sou uno com a vida. Eu bendigo minhas experiências. 
Pele (problemas da)
Sentir-se ameaçado na individualidade, falta de segurança, impaciência, assadura; maneira do bebê ganhar atenção.
Eu aceito minha individualidade. Eu sou emocionalmente Seguro. Eu ganho atenção de maneira positiva.
Pernas
Medo do futuro (as pernas carregam você para a frente)
Eu me movo com confiança e alegria.
Pés (problema dos)
Medo do futuro
Eu paro na verdade. Eu vou adiante com prazer; eu tenho compreensão espiritual.
Pescoço
Inflexibilidade, recusa em ver os outros lados da questão; teimosia
Eu sou flexível. Eu aceito outros pontos de vista.
Pneumonia
Desespero, cansaço da vida, preocupações emocionais, distúrbios internos.
Eu recebo livremente ideias divinas, impregnadas com o hálito da vida
Pressão sanguínea
Alta: manter por longo tempo problemas insolúveis
Baixa: depressão, mágoa, derrotismo, raiva.
Alta- eu sou alegria e deixo o passado dissolver-se
Baixa-eu vivo com muito mais alegria agora. A vida é alegria.
Próstata (problemas da)
Desistência, derrotismo, sensualidade excessiva com sentimento de culpa; crença na velhice.
Eu aceito minha masculinidade. Eu sou eternamente poderoso. Sexo é prazer.
Psoríase (descamação da pele)
Insegurança emocional.
Eu sou pacífico e seguro. Eu estou em paz com tudo na vida.
Pulmões
Medo de receber e dar-se a vida.
A respiração da vida flui facilmente através de mim.
Quadris (problemas dos)
Medo de ir avante em decisões importantes.
Eu sigo adiante com alegria. Amparado e sustentado pelo poder da vida
Queimaduras
Raiva: queimar-se com os outros.
As pessoas não têm poder contra mim. Eu tenho paz no meu ambiente.
Raquitismo
Desequilíbrio emocional; falta de amor e segurança.
Eu sou seguro e nutrido pelo amor do universo.
Resfriados
Confusão, desordem, pequenas magoas; família e crenças estereotipadas.
Eu sou um livre-pensador. Eu estou em paz com minha mente.
Retenção de líquido
O que é que você tem medo de perder?
Eu descanso com alegria e espontaneidade.
Reumatismo
Falta de amor; ressentimento; amargura crônica, vingança.
Eu tenho compaixão com os outros e comigo, eu aceito sentimentos prazerosamente.
Rins (problemas dos)
Crítica, sensibilidade, desapontamento.
Eu vejo somente o bom em tudo. Ações corretas estão sendo tomadas e eu estou realizado.
Roer unhas
Separação dos pais; pedaço de si que se recalca.
Eu sou um indivíduo naturalmente criativo. Eu aceito e sou seguro em minha maturidade.
Sangue (problemas no)
Falta de alegria; falta de circulação das ideias; pensamentos estagnados.
Alegria. Com alegria as novas ideias circulam livremente.
Sinusite
Presença de pessoas que o irritam.
Ninguém tem o poder de irritar-me a menos que eu permita. Paz e harmonia.
Surdez
O que você não quer escutar? Rejeição, teimosia, isolamento.
Eu escuto o universo. Eu escuto o prazer e a vida. Eu sou parte da vida.
Tórax- cisto doloroso
“Supersedimentação” de atitudes e propósitos na vida; superproteção.
Eu sou livre e permito liberdade a todos.
Tosse
Nervosismo, amolação, crítica.
Eu me expresso pacificamente. Eu falo com amor.
Tuberculose
Egoísmo, possessão; crueldade.
Eu não me sufoco na vida. Meus pensamentos desenvolvem-se sobre ótimas ideias. Todos os momentos da minha vida são cheios de sentido.
Tumor
Crescimento falso; ferimentos e choque emocionais alimentados.
Descanso e perdão. O amor dissolve os ferimentos.
Tumor no cérebro
Crenças incorretas computadas; teimosia, recusa em mudar os velhos padrões.
Tudo na vida é mudança. Meus padrões de crescimento são sempre novos.
Úlceras
Algo se corrói em você; ansiedade, medo, tensão, crença em pressões.
Nada pode irritar-me. Sou pacífico, calmo e feliz.
Urinar na cama
Medo dos pais (usualmente do pai).
Amor, compreensão e compaixão.
Urticária
Pequenos medos escondidos; exagero de pequenos problemas.
Estou em paz com as pequenas coisas da vida.
Vaginite
Culpa sexual; sentimento de perda de alguém ou algo amado.
As formas e as vias podem mudar, o amor nunca se perde. Todas as partes do meu corpo são bonitas.
Varizes
Negatividade, resistência; remoer emoções; sustentar um trabalho que você odeia; circulação entravada, atulhada de ideias; desencorajamento.
Eu me movimento e vivo com prazer. Eu amo a vida e circulo livremente.
Vesícula (pedras na)
Amargura; pensamentos dolorosos que você não encontra meios de evitar.
Jubilosamente deixo o passado ir-se. A vida é boa, eu sou bom.

sábado, 29 de março de 2014

Suicídio ………….

Complicado, muito complicado ………… Indo directamente ao dicionário, encontra-se a definição que creio que todos nós sabemos “é o ato intencional de matar a si mesmo”, creio que muito foi escrito sobre o assunto, religião, filosofia, psicologia, honra, etc ….. Porem o que me leva a escrever é sobre o “suicídio lento”, ou seja, sabendo um ser humano que muitos produtos, alimentos, cigarro, álcool, comportamentos, etc são prejudiciais ao nosso organismo, isso então não poderá ser suicídio?????? Creio que poucos de nós consideram na pratica os seus corpos como Templos, obvio que aparece então a questão da intencionalidade, na religião existe o “dogma” do sagrado que a vida é, ok, porem isso entra em colisão com o livre arbítrio!!!???, na psicologia é visto em muitos casos como pedido de ajuda chamando a atenção, fuga de algo ou de alguém, manipulação de terceiros, transtornos, psicoses, demências, etc. Albert Camus escreveu: "O suicídio é a grande questão filosófica de nosso tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma pergunta fundamental da própria filosofia.” Fundamentalmente o “suicídio” lento através do sentimento que apenas somos inquilinos e não proprietários dum corpo acaba por ser relativamente bem aceite por “todos”. Fiquem bem.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Fernando ............ Fernando, o pintor!


Por aqui ninguém conhece o Fernando, é “apenas” um pintor, um pintor que possivelmente vai morrer (ou “pior”) no seu posto de trabalho, o Fernando não come, não descansa, não dorme, apenas fuma e pinta, o Fernando é um perfeccionista numa obra de gente perdida, isto, num fim de mundo que apenas espelho o país que somos.

Gradativamente ele tem se deixado esmagar pela demagogia inerente de lideranças não preparadas nem versadas para fazer algo maior que uma casota de cão (analogia sem qualquer intuito ofensivo para com os nossos amigos caninos!).

O Fernando não tem qualquer tipo de sentido de humor, perdeu-o pelo caminho ou simplesmente lho roubaram, conseguir arrancar dele dois pequenos esboços de sorrisos foi uma tarefa dantesca.

Das diversas vezes que se sentiu indisposto, duas teve que ir ao “hospital” com suspeitas dos médicos de pequenos AVCs, problema é que o Fernando contra tudo e todos não quer ir para casa, o “tou bem” ou “já vou ficar bem” dele tem certamente a ver com os “sapatos” que calça, quem é o Fernando? Que infância teve o Fernando? Como pode ele deixar que o trabalho lhe roube a saúde física e mental e possivelmente o leve ao fim desta sua vida? Não estarei na presença dum suicídio menos rápido guiado pela mão duma depressão provocada por carga a mais imposta/aceite ao/pelo Fernando?


Já não lhe digo nada sobre o parar, apenas agora lhe digo que se necessitar de algo que me seja viável, contar comigo!

Fiquem bem!

quinta-feira, 7 de março de 2013

Povo Fang e as suas bruxas ….



A riqueza do povo Fang (Camarões, Guiné e Gana), segundo pascal Boyer, eles tem crendices muito divertidas; Eles acreditam que as bruxas têm um órgão interno a mais, voam durante a noite destruindo as culturas e envenenando o sangue das pessoas, de vez em quando juntam-se em grandes banquetes devorando as vítimas e planeando os futuros ataques. Muitos dizem que um amigo dum amigo viu mesmo bruxas a sobrevoarem a aldeia a noite sentadas em folhas de bananeira e atiram dardos mágicos a varias vítimas inadvertidas.

Claro que para nós no chamado mundo ocidental é um perfeito disparate, nós por cá só temos um homem que nasceu duma virgem sem a intervenção dum pai biológico, esse mesmo homem gritou a outro (que já estava morto a tempo suficiente para cheirar mal) e ele voltou a vida.
Esse tal homem sem pai biológico também voltou a vida depois de estar morto durante três dias, quarenta dias depois esse homem sem pai biológico desapareceu nos céus.
Se murmuramos pensamentos na intimidade da nossa cabeça, o homem sem pai biológico e o próprio “pai não biológico” (que é também ele próprio) ouvirá os nossos pensamentos e poderá agir em conformidade com eles, se fizermos alguma coisa de mal ou de bem, esse homem sem pai biológico vê tudo, ainda que mais ninguém o veja, podemos ser recompensados ou castigados conforme o caso, em vida ou mesmo depois de mortos.
A mãe do tal homem sem pai biológico nunca chegou a morrer, por via da “assunção” subiu directamente ao céu em corpo, etccccc

Claro que o povo Fang ainda não parou de rir!!!!

Fiquem bem

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Tempo



Fez algum tempo, não muito, uma amiga me questionou por que tudo era tão lento?

Possivelmente a definição de velocidade é algo incompreendido, qualquer caminho veloz é um caminho muito recto em a velocidade nos deixa apenas olhar para a frente e vemos quase tudo duma forma desfocado, com algumas curvas para nos fazer ir mais devagar podemos ver melhor o que nos rodeia, apenas devemos ter alguma maior atenção as rotundas em que o centro pode ser pessoas, ideologias, etc. que podem nos seduzir com o seu poder (dado por nós) gravitacional, pode simplesmente nos atrasar fazendo-nos andar as voltas, necessitamos de ir vendo as coisas aos poucos, por vezes é bom fazer inversão de marcha e mudar de direcção (ou voltar a mesma) embora seja “certo” que todas as direcções levem ao mesmo destino, vamos vendo as coisas aos pouco, mesmo quando o nosso intimo grita em silencio que não pode mais, nunca carregamos mais do que decidimos etericamente, a “vida” vai nos dando pequenas doses para irmos digerindo conforme as nossas capacidade, nunca demais, apenas o que necessitamos no momento, a cada passo ficamos a saber mais um pouco, isto é, entendemos a cada passo melhor o que sabemos. Onde quer que nós estejamos é exactamente onde devemos estar, por vezes gostaríamos de estar em outro sítio e em outras maneiras, possivelmente não teríamos ainda capacidades para lidar com tal.

Todos os relacionamentos (em todos os formatos, íntimos, profissionais, amizades, etc.) que tivemos no passado eram aqueles que necessitávamos no momento, de cada vez que estamos prontos para fazer coisas novas, novas pessoas aparecem, somos o que somos e estamos a cada segundo nos transformando no que iremos ser, existem outras pessoas a espera de nós cada vez que nos transformamos, isto é “o ser e se tornar”, todos aprendemos sempre o máximo, ainda bem que o caminho é lento, lento e “suave”.



Fiquem bem



João Gonçalves

27-06-08

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Tanto mal que fazemos por "bem" !!!!!

1.Não me dês tudo aquilo que eu peço. Às vezes só o faço para ver até quanto tu me podes dar.

2.Não me grites. Respeito-te menos quando o fazes e também me ensinas a gritar e eu não quero fazê-lo. 

3.Não me dês ordens. Se em vez de ordens, às vezes pedires as coisas, eu fa-lo-ei mais rápido e com mais prazer.

 4.Cumpre as tuas promessas boas ou más. Se me prometeres uma prenda dás-ma e se merecer um castigo, dás-mo também.

 5.Não me compares com ninguém, especialmente com o meu irmão ou irmã. Se tu me fazes sentir melhor que o resto, alguém vai sofrer e se me fazes sentir pior que os outros serei eu quem sofre.

 6.Não mudes tantas vezes de opinião acerca daquilo que eu devo fazer. Decide e mantêm essa decisão. 

7.Deixa-me valer por mim próprio. Se tu fazes tudo por mim eu nunca poderei aprender.

 8.Não digas mentiras, nem me peças que eu o faça por ti. Fazes-me sentir mal e perder a fé naquilo que tu me dizes. 

9.Quando eu faço algo de errado, não exijas que te diga porque o fiz. Ajuda-me a compreender. 

10.Quando te enganas nalguma coisa, admite-o e crescerá o respeito que eu tenho por ti. Ensinas-me simultaneamente a aceitar os meus erros também.

 11.Trata-me com a mesma afabilidade e cordialidade com que tratas os teus amigos. O facto de nós sermos família não significa que não possamos ser amigos também.

 12.Não me digas para fazer uma coisa quando tu não a fazes. Eu aprendo aquilo que tu fazes embora não o digas, mas nunca farei o que tu dizes e que não fazes.

 13.Quando te conto os meus problemas, não digas "Não tenho tempo para parvoíces" ou "isso não tem importância“. Trata de me compreender e de me ajudar.

 14.Finalmente ama-me e diz-mo. Eu gosto de te ouvir dizer, embora não julgues necessário dizer-mo. 

Autor Desconhecido

 Fiquem bem

domingo, 16 de dezembro de 2012

domingo, 12 de agosto de 2012

Por que é .........................??????


Um dos meus livros favoritos! Continuo a dizer que “todos” deviam ler!

 “O Pedro convidou a Paula para jantar num restaurante e os dois passaram uma noite agradável. De facto, entenderam-se tão bem que decidiram ter uma relação estável. Um ano mais tarde, quando estão a voltar do cinema, a Paula pergunta ao Pedro o que ele quer fazer para comemorar o primeiro ano da sua relação. E o Pedro responde-lhe: «Podíamos encomendar uma pizza e ver o campeonato de golfe na televisão!» A Paula fica calada. Desconfiando que havia qualquer problema, o Pedro enterra-se ainda mais dizendo: «Bom, se não queres uma pizza, podemos encomendar comida chinesa.» Ao que a Paula responde com um seco: «Está bem!» E, em seguida, emudece.

 Então, o Pedro pensa: «Já um ano! Então, como começamos a sair juntos em Janeiro e foi nessa altura que comprei o carro, tenho que pensar na revisão para validar a garantia. O mecânico disse-me que consertaria o indicador de nível de óleo e … a caixa de velocidades, não está lá muito boa!»

 Por seu lado, a Paula também está a pensar: «para ele, a nossa relação não deve ser muito importante, para só ter direito a uma pizza acompanhada por uma partida de golfe na televisão, na noite do nosso aniversário… Para a próxima, talvez fosse melhor convidar uns amigos. Eu gostava era de um jantar à luz da vela, de dançar e de falar sobre o nosso futuro. É evidente que a nossa relação não é tão importante para ele como para mim. Talvez ele até se sinta mal nesta relação. Eu quero um compromisso maior da parte dele, mas ele sente-se ameaçado. Pensando bem, por vezes, eu também gostava de ter um espaço só meu para passar mais tempo com as minhas amigas. Bem, é preciso mais tempo para ver o rumo da nossa relação… Quero dizer, para onde é que vamos. Será que vamos simplesmente continuar a ver-nos ou vamos acabar por casar? Ter filhos? Senão o quê? Será que estou pronta para assumir um compromisso destes? Será que quero mesmo passar o resto da minha vida com ele?»

 Entretanto, o Pedro dá-se conta que o indicador de óleo está novamente a piscar. Faz uma careta e pensa: «Estes imbecis da garagem disseram-me que consertavam o indicador de nível e, agora, a garantia está praticamente a acabar!»

 A Paula olha para ele e embrenha-se noutra série de pensamentos: «Está a fazer caretas… não se sente feliz… Aposto que ele acha que estou gorda demais e que me devia vestir de outra maneira. Eu sei que devia pintar-me menos e fazer mais exercício. Ele está sempre a falar da forma espantosa da Carlota e a dizer que devia ir ao ginásio com ela. Falei disto com as minhas amigas e elas acham que o Pedro devia de gostar de mim como eu sou e não tentar modificar-me… Se calhar tem razão!»

 Os pensamentos do Pedro estão a anos de luz de distância: «Vou dizer aqueles mecânicos que vão dar uma volta… Vou-lhes dizer que vão…»

 A Paula continua a olhar fixamente para o rosto do Pedro e vai pensando: «Agora é que ele está mesmo nervoso… Vê-se na cara dele e sente-se bem o estado de tensão em que ele está. Talvez eu esteja enganada… Talvez ele espere mais de mim e sinta que eu não estou muito segura dos meus sentimentos… Sim, é isso! É por isso que ele não fala comigo… Não quer abrir-se comigo e falar dos sentimentos dele, não vá eu manda-lo passear. Posso o sofrimento nos seus olhos.»


 Pedro volta a mergulhar nos seus pensamentos: «Desta vez, eles têm de consertar isto! Já lhes disse que tinha problemas e eles disseram que a responsabilidade era do fabricante. Não me vão dizer agora que este tipo de problema não está coberto pela garantia ou, então, vão ter chatices… Paguei uma fortuna por este carro e eles têm… »

«Pedro?», diz a Paula.
«O que é?», responde o Pedro, visivelmente incomodado por lhe terem interrompido a linha de pensamentos.
«Por favor, não te tortures dessa maneira… talvez não tenha razão para pensar assim… Ah, sinto-me tão mal… Se calhar, preciso de algum tempo… Quero dizer, a vida não é assim tão fácil…»
 «Ah, disso podes ter a certeza!», resmunga o Pedro.
«Tu pensas que eu sou um bocado maluca, não é?»
«Não», responde o Pedro, um tanto perdido.
«É só que… Ah, já não sei muito bem… Estou perdida… Preciso de algum tempo para pensar nisto tudo», diz ela.

 O Pedro pergunta a si mesmo: «De que diabo está ela a falar? O melhor é dizer “está bem” e, amanhã, já está tudo bem! Devem ser coisas de mulheres.»

 «Obrigada, Pedro… Não podes imaginar como é importante para mim», diz ela. Olhando-o nos olhos, apercebe-se de que ele é uma pessoa de quem ela gosta muito e de que precisa mesmo de pensar na relação dos dois.

Depois de ter passado a noite as voltas, logo pela manhã, a Paula decide discutir o problema com a Carlota. Combinam encontrar-se para almoçar e falam do Pedro e dos problemas dos dois. Enquanto isto, o Pedro voltou para casa, bebeu uma cerveja e ligou a televisão, Acha que a Paula tem um problema mas, com certeza, deve ser por causa do período.

Na noite seguinte, a Paula e a Carlota voltam a estar juntas e falam a noite toda. Alguns dias mais tarde, o Pedro fala com o Miguel, o namorado da Carlota, que lhe diz: «Então, parece que a Paula e tu estão a ter problemas?» Agora é que o Pedro se sente completamente perdido, «Não faço a mínima ideia do que é que ela anda a contar!», diz o Pedro, a rir. E acrescenta: «…mas dá uma olhadela a este indicador de nível e diz-me o que pensas…»"

Apenas um pequeno pedaço engraçado e “real” do dia-a-dia!

Fiquem bem

sábado, 28 de julho de 2012

Difícil…….


Difícil……       
  

 
Difícil ……………. Difícil, por vezes recordar algumas coisas, coisas que por mais enterradas estejam ………….. elas conseguem de tempos em tempos eclodir e deixar-nos átona!

  
No século passado, devia eu ter cerca de oito anos, estava eu brincando com um grupo de amigos junto ao rio Sorraia numa extremidade da vila de Samora Correia num local denominado “moinhos” (dado que em tempos existiram ali moinhos de vento).

Por algum motivo que não consigo recordar fiquei sozinho e fui brincar para junto da margem do rio, saltitando e brincando lá estava eu sozinho junto ao rio e envolto em vegetação numa linha de agua pluvial (separação dos moinhos com a quinta dos gatos), pois bem, a determinada altura comecei a ouvir um miar triste e aflito, fui me aproximando e encontrei um gato muito parecido com o da foto, encharcado e a tremer, não devia ter mais de um mês de vida! (era usual, hoje creio que menos, quando uma gata tinha crias deitar os filhotes ao rio! Pelo menos alguns, que eram considerados excedentes!)

Peguei nele, fiz algo parecido com uma bolsa com a camisa e lá fui eu para casa.

Não ia muito a vontade, sabia bem que ia ser complicado …………………

Vai já por este gato onde o encontras-te, não vês que o gato deve estar doente, não quero o gato cá em casa ………..etc………. e lá voltamos os dois ………….

O que se segue demorou mais de três horas;

De volta aos moinhos não fazia ideia de como solucionar a situação, tentei encontrar um local mais protegido, porem sempre que eu me afastava uma pouco o pequeno gato voltava as lamentações, eu voltava e fazendo-lhe festa ele sossegava, afastava-me e ele (ou ela) gritava, aproximava-me e aclamava, enfim as lágrimas caiam-me em cascatas que por vezes me turvavam a visão, enfim, complicado, resolvi então passear com ele ao colo ao longo da margem do rio, falando com ele e deixando o tempo passar (eu sabia que mais cedo ou mais tarde tinha que ir para casa) dado que assim possivelmente alguma solução poderia “cair do céu”, porem “nada” e “nada”, a dada altura reparei num pequeno saco de plástico transparente (tipo pacote de bolachas Maria) e então, chorando como creio que nunca mais chorei, soluçando desculpas, introduzi a pequena cabeça daquele inocente no saco e atirei-o a agua, vi-o a afundar e sentado chorei e chorei ………ainda hoje …………..

Fui para casa, nada me foi perguntado, nada eu falei sobre o assunto!

Recordar o primeiro amor, a primeira experiência sexual, é fantástico e até pode ser intenso, porem, para mim, recordar a primeira traição é duma intensidade bem maior!

Com o passar dos anos, claro que de tempos em tempos recordava-me……….

Já neste século, num fim-de-semana de ferias com umas amigas na zona da Caparica, tínhamos acabado de almoçar e resolvemos ir “a bica”, como o café era a uns meros trezentos metros fomos a pé, passado junto a um jardim ouvimos uns “miares” de chamamento, uma delas disse; pois, nesta casa não está ninguém a morar e certamente que alguém abandonou gatos aqui, não é a primeira vez!

Arrepiei-me quando um pequeno gato (amarelo riscado como o da foto, também igual ao dos moinhos) apareceu em cima do muro, disse a elas; vamos embora! E fomos, porem não é que o raio do gato começou a andar atrás de nós, eu só dizia para acelerar-mos o passo e andava cada vez mais depressa, não olhei para trás, apenas ouvia o miar que não parava, determinada altura, parei, olhei para trás, e falei alto a bom som; ok, ganhas-te!

Fui direito a ele, agarrei-o e levei-o para casa, creio que principalmente sentia uma divida “karmica” para com ele, porem, afinal ele era ela e ficou a ser conhecida por Ísis, andava comigo no carro, muitas das vezes em cima do meu ombro (no formato de papagaio), tinha um faro fantástico para descobrir problemas de saúde nos humanos, foram uns bons tempos!

Porem, um dia por motivos profissionais tive que mudar (de armas e bagagem) para os Açores sem qualquer possibilidade de a trazer, ela esta cheia, prenha, grávida, como quiserem! Tive que lhe dar outra casa ………. Mais uma vez ………. Voltei para casa sozinho …………………

Hoje (motivo de ter escrito) ao chegar a uma casa que estou usando provisoriamente por razões profissionais deparo-me com o animal da foto, pouco depois, aparece uma Júnior, depois outro e ainda outro, ou seja, estou numa casa isolada, é uma gata que teve crias e as está a criar no mato, e “prontes” lá fui comprar uma saco de comida, enchi uma tigela de comida, outra de agua e “prontes” ………………………………..

Fiquem bem

quarta-feira, 18 de julho de 2012

V I V A


Artigo do jornal "O Estado de São Paulo".

O cérebro humano mede o tempo por meio da
observação dos movimentos.

Se alguém colocar você dentro de uma sala
branca vazia, sem nenhuma mobília, sem
portas ou janelas, sem relógio....
você começará a perder a noção do tempo.
Por alguns dias, sua mente detectará a passagem
do tempo sentindo as reacções internas do seu corpo,
incluindo os batimentos cardíacos, ciclos de sono,
fome, sede e pressão sanguínea.

Isso acontece porque nossa noção de passagem
do tempo deriva do movimento dos objectos,
pessoas, sinais naturais e da repetição de
eventos cíclicos, como o nascer e o pôr do sol.
Compreendido este ponto, há outra coisa
que você tem que considerar:

Nosso cérebro é extremamente optimizado.
Ele evita fazer duas vezes o mesmo trabalho.
Um adulto médio tem entre 40 e 60 mil
pensamentos por dia.

Qualquer um de nós ficaria louco se o
cérebro tivesse que processar
conscientemente tal quantidade.

Por isso, a maior parte destes pensamentos
é automatizada e não aparece no índice
de eventos do dia e portanto, quando você
vive uma experiência pela primeira vez,
ele dedica muitos recursos para
compreender o que está acontecendo.

É quando você se sente mais vivo.
Conforme a mesma experiência vai se repetindo,
ele vai simplesmente colocando suas reacções
no modo automático e apagando as experiências
duplicadas.

Se você entendeu estes dois pontos, já vai
compreender porque parece que o tempo acelera,
quando ficamos mais velhos e porque os Natais
chegam cada vez mais rapidamente.
Quando começamos a dirigir automóveis, tudo
parece muito complicado, nossa atenção parece
ser requisitada ao máximo.

Então, um dia dirigimos trocando de marcha,
olhando os semáforos, lendo os sinais ou até falando
ao celular ao mesmo tempo.

Como acontece?

Simples: o cérebro já sabe o que está escrito nas
placas (você não lê com os olhos, mas com a imagem
anterior, na mente); O cérebro já sabe qual marcha
trocar (ele simplesmente pega suas experiências
passadas e usa , no lugar de repetir
realmente a experiência).

Ou seja, você não vivenciou aquela
experiência, pelo menos para a mente.
Aqueles críticos segundos de troca de marcha,
leitura de placa são apagados de sua noção
de passagem do tempo.

Quando você começa a repetir algo
exactamente igual, a mente apaga a
experiência repetida.

Conforme envelhecemos as coisas começam a
se repetir - as mesmas ruas, pessoas, problemas,
desafios, programas de televisão, reclamações, enfim...
as experiências novas
(aquelas que fazem a mente parar e pensar de verdade,
fazendo com que seu dia pareça ter sido longo e cheio de novidades),
vão diminuindo.

Até que tanta coisa se repete que fica difícil dizer
o que tivemos de novidade na semana, no ano ou,
para algumas pessoas, na década.

Em outras palavras, o que faz o tempo
parecer que acelera é a...

ROTINA

A rotina é essencial para a vida e optimiza muita coisa, mas a maioria das pessoas ama tanto a rotina que, ao longo da vida, seu diário acaba sendo um livro de um só capítulo, repetido todos os anos.

Felizmente há um antídoto para a aceleração do tempo:

M& M(Mude e Marque).

Mude, fazendo algo diferente e marque, fazendo
um ritual, uma festa ou registros com fotos.

Aprenda uma nova língua, ou um novo instrumento
Mude de paisagem, tire férias com a família
(sugiro que você tire férias sempre e, preferencialmente,
para um lugar quente, um ano, e frio no seguinte) e
marque com fotos, cartões postais e cartas.

Tenha filhos ou animais de estimação
(eles destroem a rotina)

Sempre faça festas de aniversário e para você
(marcando o evento e diferenciando o dia).

Use e abuse dos rituais para tornar
momentos especiais diferentes
de momentos usuais.

Faça festas de noivado, casamento, 15 anos,
bodas disso ou daquilo, bota-foras, participe do
aniversário de formatura de sua turma, visite parentes
distantes, entre na universidade com 60 anos,
troque a cor do cabelo, deixe a barba, tire a barba,
compre enfeites diferentes no Natal, vá a shows,
cozinhe uma receita nova, tirada de um livro novo.

Escolha roupas diferentes, não pinte a
casa da mesma cor, faça diferente.

Beije diferente sua paixão e viva com
ela momentos diferentes.

Vá a mercados diferentes, leia livros diferentes,
busque experiências diferentes.

Seja Diferente!

Se você tiver dinheiro, especialmente se
já estiver aposentado, vá com seu marido, esposa ou
amigos para outras cidades ou países,
veja outras culturas, visite museus estranhos,
deguste pratos esquisitos....
em outras palavras... V-I-V-A. !!!

Porque se você viver intensamente
as diferenças, o tempo vai parecer mais longo.
E se tiver a sorte de estar casado(a) com alguém
disposto(a) a viver e buscar coisas diferentes,
seu livro será muito mais longo, muito mais
interessante e muito mais v-i-v-o... do que
a maioria dos livros da vida que existem por aí.

Cerque-se de amigos.

Amigos com gostos diferentes, vindos de
lugares diferentes e que gostam de
comidas diferentes.

Enfim, acho que você já entendeu
o recado, não é?

Boa sorte em suas experiências para
expandir seu tempo, com qualidade,
emoção, rituais e vida.

ESCREVA AmaNhosdiFeRenTese
em CorEem TS difErEntEs!

CRIE, RECORTE, PINTE, RASGUE,
MOLHE,DOBRE, INVENTE,REINVENTE...

V I V A !!!

Fiquem bem