sábado, 22 de novembro de 2008

Dormir


Quando dormimos não usamos mascaras, da mesma forma em que a dormir respiramos naturalmente (com a barriga) também o nosso rosto deixa transparecer como realmente somos, quem não acreditar, uma noite destas que medite observando o companheiro/a.
Possivelmente ninguém deveria viver com ninguém sem antes fazer essa observação.

Fiquem bem

11 comentários:

Anónimo disse...

E o que devemos observar? Sendo prática pergunto por exemplo,se ressonar muito alto e fizer ainda por cima uma cara feia porque sente apeneia o que podemos concluir?

Carteiro disse...

Olá
Bem, observar não é simplesmente ver, a questão é pertinente e que leva a imensos assuntos.
Podemos abordar o caso que expõe (seja ele fictício ou não)
O que nos leva a considerar determinados actos “involuntários” por parte de outros engraçados/aceitáveis/incomodativos/inaceitáveis?

Usualmente até começam por engraçados e depois são caminhando até serem inaceitáveis, isso é apenas um trajecto de degradação dum relacionamento que se vai mantendo devido a factores que nada tem a ver com amor.

O ser humano tem tendência a manter um relacionamento mesmo depois de o amor acabar, é um facto, comodismo é possivelmente um factor principal, mas o que é que mudou ao longo dos anos num casal, como é que mulheres podem dizer que já nem o cheiro do seu companheiro suportam? O que é que mudou? Para não me alongar poderei dizer que o ideal relativamente ao futuro dum casal (entre outras muitas coisas) escolher uma companheira que nos escolha também, que não tome a pílula e que goste do nosso cheiro! A pílula leva a se escolher alguém relativamente similar e quando os anos depois a mulher deixa de se “medicar” fica “desapontada” com o companheiro que escolheu.

Observar um futuro companheiro/a (e ser observado) vai sem duvida ajudar a tomar uma decisão mais plena sobre uma futura união, claro que muitos mais factores são também vitais, mas não creio que seja bom caminho eu querer ir viver com alguém que não gosto de ver quando está a dormir, da mesma forma que se não tiver admiração, amizade, cumplicidade, empatia, se não conseguirmos rir um do outro, etc….. é que para mim, só amor não chega, tem que existir mais itens que não são uma lista mas sim um conjunto harmonioso e ao mesmo tempo selvagem.

Muito mais fica por dizer, ficará para outra altura

Fique bem

Anónimo disse...

Obrigado pela sua resposta. Depois do seu comentário depreendo que quis dizer que avaliamos o amor que temos pelo companheiro e que quando o, a, achamos insuportávelmente deselegante e feio(a) quando dorme. Ao observar, o,a, companheira(o) a dormir sem poses voluntárias é o teste que determina o quanto o, a, amamos ou não, é isso que quis dizer? Neste observar vemos, admitimos conscientemente, o que auto negamos? Obrigado.

Iara disse...

quando a gente esta dormindo tranparece nosso melhor lado.
Todos viram anjos.
Mas foi bom a dica.

Carteiro disse...

Olá
Creio que todos nós (uns inconscientemente, outros de forma mais consciente) criamos uma lista mental com prós e contras relativamente ao relacionalmente que temos (quem quiser lidar só com pessoas perfeitas terá que viver sozinho), todos nós temos também alguns espinhos que magoam a outra pessoa, pode ser propositadamente, de forma inconsciente ou involuntariamente, de qualquer forma não deixa de ser magoar o outro.
Por outro lado, também o outro tem que estar predisposto a ser magoado, não tem a ver com expectativas mas sim com auto-estima (falta).
A formação social que recebemos também não ajuda muito, como é que uma mulher leva um estalo de um namorado e depois vai viver (ou casar com ele), o próprio aconselhamento das progenitoras é corrupto e pouco virado para a felicidade.

Enfim, pano para mangas

Fiquem bem

Anónimo disse...

Olá.
Que pena só agora saber disto. (risos) Também tenho curiosidade em saber a conclusão que tiramos depois de observar o companheiro. Quando dormimos estamos indefesos, não sei se é o melhor lado que transparece, mas é o ar frágil e sem compostura, auto censura, que surge,sem dúvida. É o nosso lado de anjo, só que há anjos narcisistas e anjos não narcisistas, para não falar em anjos bons ou maus. A conclusão que tiramos dir-nos-à se desejamos, se sentimos ternura por aquela pessoa ou não,... O que vês tu carteiro?
Um abraço da tua amiga,
Linda

Carteiro disse...

Olá Linda

Possivelmente o mais eficaz é passar da teoria a pratica, observa e tira as tuas conclusões.

Fica bem

Anónimo disse...

Ora, ora, eu queria saber o que tu vês, e tu dizes para eu ver, o que é que há para ver? Os nossos sentimentos? Eu já vi, e apenas vi os meus sentimentos, não vi nada do outro.
Abraços da tua amiga,
Linda

Carteiro disse...

Olá Linda
Nada é algo que não “existe”, possivelmente não viste mais nada do que já sabes, o post é mais dedicado a quem quer ou vai iniciar uma relação.

Fica bem

iara disse...

enfim alguém me explica pq gosto tanto de observar os seres amados dormindo!

Carteiro disse...

Olá Iara

Pois, o que leva a gostar disto ou daquilo? Sem dúvidas que é um excelente tema!

Apenas posso dizer (num formato de “achismo”) que possivelmente tudo tem uma causa que pode ou não causar um efeito, na pergunta que fazes, posso dizer que é o denominado sentimento maternal, se quisermos ir mais longe pode-se falar em sentimento protector/vigília, se mais longe ainda pode-se chegar a culpa.

Mas olhando mais terra a terra, quando se ama alguém, temos admiração por esse alguém, gostamos de olhar para esse alguém, se esse alguém está a dormir podemos então olhar mais demoradamente para esse alguém sem sermos interrompidos.

Fica bem